Novos tempos, Novo Agrodistribuidor – Parte 6: O Futuro é Você quem faz

Matheus Cônsoli fala sobre a economia e o agronegócio em 2020 e o quão foi afetado por causa do COVID-19.

Abordei na série de artigos sobre os novos tempos e o novo Agrodistribuidor, como algumas das mudanças e dinâmicas de mercado poderão influenciar o modelo de negócios na distribuição de insumos. Como citado, os desafios não são poucos.

Mesmo com todas os fundamentos favoráveis ao agronegócio e produção de alimentos, biomassa e energia, a recente “crise” deflagrada pela Pandemia do Covid-19, intensificação “guerra EUA x China” e retomada das relações e venda de grãos dos EUA para China, e atritos entre Russos e Árabes alterando a dinâmica do mercado de petróleo, seus derivados e substitutos criou uma tempestade perfeita para impactos econômicos e sociais que vivemos, derrubará o PIB global em 2020/21 e provavelmente deixará marcas conjunturais e estruturais na forma como vivemos, nos relacionamos e interagimos.

Na distribuição de insumos, setor responsável por difundir tecnologias, assessorar produtores e ofertar produtos e serviços que possibilitem a produção no campo, algumas tendências que vimos discutindo a anos se concretizaram, como a consolidação de mercado, profissionalização, mudanças no perfil do produtor, multicanais de acesso e ominichannel com digital, dentre outras, estão se acelerando. Nesse contexto, discuti alguns reflexos e impactos de toda essa transformação nos negócios da distribuição de insumos.

É importante sempre ter em mente que os temas tradicionais de gestão, tais como planejamento, governança, talentos, processos comerciais, logística, gestão financeira e crédito, por exemplo devem sempre ser aprimorados e ter sua melhoria e evolução perseguidos. Entretanto, alguns temas mais estratégicos que influenciam o modelo de negócio do distribuidor de insumos está mudando. Algumas empresas estão mais antenadas, preocupadas e se preparando para se adaptar e mudar sua forma de operação, enquanto outras ainda não entenderam ou simplesmente não sabem o que fazer. Assim, procurei discutir 4 grandes temas que estão relacionados com as estruturas do modelo de negócios de distribuição e que serão base para o “Novo AgroDistribuidor”: (1) Financeirização do Negócio de Distribuição; (2) Servitização e Transformação Digital; (3) Revisão da Estrutura de Custos; e (4) Revisão no Modelo de Atendimento ao Produtor.

O resumo de análises, pontos de vistas, expectativas futuras e tendências quanto a essas transformações foram apresentados. No futuro voltaremos a ver os acertos e erros quanto ao que realmente e concretizará e passará a ser “normal” no negócio de insumos agrícolas e pecuários, mas ao menos a reflexão já é interessante.

De qualquer maneira, mesmo com toda a onda tecnológica que vivemos e ainda está por vir, é nas pessoas que residirá os diferenciais dos negócios. Para isso, a liderança das empresas precisa estar preparada para promover mudanças e ajustes nos seus modelos de negócios – sejam eles os abordados nesses artigos, sejam outros. Mas uma máxima no mundo dos negócios se mantém: “o modelo de negócios que garantiu seu sucesso até aqui não será o que te levará para o futuro”.

Rever a orientação de produtos para serviços, se preparar para um alinhamento estratégico com parceiros, pavimentar o caminho para a transformação digital dos negócios, simplificar processos e capacitar, orientar, incentivar e gerenciar equipes de maneira estratégica não pode ser feito apenas com softwares e sistemas. Dependerá de pessoas com visão de negócios, competências, resiliência, inovação e muito, muita capacidade de liderança para promover melhorias nos negócios que definirá o futuro das empresas na distribuição de insumos e o futuro das pessoas que nela estão.

Assim meu caro leitor, o futuro depende muito mais de você do que você imagina. Ficar parado assistindo o filme pode ser muito arriscado. O futuro é você quem faz!

Sucesso e grande abraço a todos!

Outras Publicações